Selecione seu idioma

quarta-feira, 25 de janeiro de 2012

IV GUERRA MUNDIAL: 2036 (#Brasil e #Haiti)

IV GUERRA MUNDIAL: #Brasil e #Haiti

Não fiquem espantados com o título:  “IV GUERRA MUNDIAL": 2036 (Brasil e Haiti)!

O Mundo Civilizado não vai acabar em 2012, mas em 2036, com a "IV GUERRA MUNDIAL", logo após o fim da "III GUERRA MUNDIAL".

O terremoto que flagelou o Haiti está provocando uma onda de refugiados em direção ao Brasil, em busca de melhores condições de vida, pois o Haiti está destroçado pelo terremoto que destruiu aquele país, e não há expectativas de melhorar.

É relativamente pequeno o número de refugiados haitianos buscando refúgio no Brasil, mas é emblemático e significativo  que o Brasil esteja impondo restrições à entrada dos haitianos.

Um número elevado de estrangeiros no Brasil poderia causar diversos tipos de problemas: econômicos, sanitários, infra-estruturas, políticos, humanitários, etc...

A “III GUERRA MUNDIAL”  já iniciou, e a qualquer momento, Israel vai desferir um ataque preventivo contra as instalações nucleares iranianas...

O “Alto-Comando-Militar-Israelense”, já programou o dia e a hora do ataque, falta o término do preparo logístico, mas os planos de ação, inclusive com dia e hora determinados, já estão definidos...

A única possibilidade de evitar a “III Guerra Mundial”, seria a REMOTA HIPÓTESE de desistência iraniana de seu programa de armas nucleares.

A “IV GUERRA MUNDIAL” acontecerá em 2036, e a principal causa será os refugiados do clima, invadindo as fronteiras de outros países, em busca de água, alimentação, habitação, segurança, fugindo do aquecimento global, e das mudanças geológicas. 


A “IV GUERRA MUNDIAL”,  também já iniciou, simultaneamente ao inicio da “III”.

A seqüência e a intensidade dos terremotos  destruirá grandes centros urbanos,  antes de 2029, em diferentes regiões do mundo, que prefiro não citar, para não ser acusado de alarmista e provocador de pânico coletivo.

Os grandes terremotos provocarão  grandes ondas de refugiados, em busca de habitação, água e alimentação, ao exemplo do que está ocorrendo, neste momento, com os haitianos, buscando refúgio no Brasil.

Os terremotos provocarão gigantescos Tsunamis, que arrasarão grandes faixas litorâneas, densamente habitadas...

A elevação do nível dos oceanos será outro fenômeno, com conseqüências catastróficas para a economia global, provocando novas ondas de refugiados...

Em 2029, o “Aphóphis”,  voltará ao espaço, depois de ricochetear na fenda de ressonância gravitacional, uma região precisa não maior que 600 metros, o que causaria um impacto direto em 13 de abril de 2036, mas este o desvio da colisão em 2029, provocará seu retorno em 2036, em rota de colisão frontal, e o desastre será inevitável.

No final de 2035, quando a NASA confirmar a rota de colisão frontal com a Terra, o pânico generalizado será inevitável, e milhões de pessoas, com condições financeiras  privilegiadas, buscarão refúgios em regiões que poderiam oferecer alguma possibilidade de sobrevivência.

Outras milhões de pessoas, sem recursos financeiros provocarão invasões, tumultos de toda ordem, e os países fortemente armados, vencedores da “III GUERRA MUNDIAL”, serão obrigados a rechaçar e matar, pois não haverá água e alimentos suficientes para socorrer os "Refugiados do Clima".

As ilhas japonesas terão desaparecido completamente, num futuro breve, em consequência de  outro grande terremoto,  que liquefará o que ainda resta de consistência geológica nos solos das ilhas.

Um outro forte terremoto destroçará as cidades situadas sobre a "falha Geológica de San Andreas".

A profunda fenda aberta na nova Zelândia provocará novos mortíferos tremores de terra..

No Chile, outra profunda fenda geológica dará origem à novos tremores de terra, que ocasionarão novos gigantescos tsunamis.

A  elevação do nível dos oceanos comprometerá a sobrevivência de todos os habitantes em faixas litorâneas...

Supervulcões entrarão em erupção, dando maior complexidade ao quadro já caótico...

Enchentes e deslizamentos de encostas em todas as regiões do Planeta Terra...

A grande quantidade de gás metano na atmosfera será o combustível principal para incendiar o que restará das florestas sobreviventes...

O movimento de Rotação da Terra estará desestabilizado, com o Eixo alternando, as correntes oceânicas e dos ventos instáveis, as temperaturas elevadíssimas, provocando tornados, furacões, impossibilitando qualquer atividade agrícola.

Algumas regiões da Terra estarão extremamente desérticas, o que acontecerá no Amazonas, enquanto outras regiões serão dramaticamente inundadas.

Muitas cidades serão invadidas pelas correntes oceânicas, e regiões anteriormente cobertas pelos oceanos, estarão expostas.

A "IV GUERRA MUNDIAL", em 2036, terá características dramáticas, selvagens, pois será uma batalha individual, pela sobrevivência física.

Não será travada por generais, ou com armas sofisticadas, mas será um corpo-a-corpo tribal, na disputa por um pequeno espaço geográfico, supostamente seguro.

Os Exércitos regulares, e as armas convencionais, estarão inutilizadas por explosões solares que danificarão todo os modernos sistemas de comunicação.

Todo o aparato bélico eletrônico será neutralizado devido as explosões solares, a falta de combustível,  a incapacidade de alimentar e medicar as tropas convencionais, isoladas, isoladas e sem comando, será uma guerra pessoal, de cada sobrevivente, em busca de uma caverna para sobreviver às consequências da colisão iminente do Aphophis contra a Terra, já destroçada pelas mudanças geológicas e climáticas.

Os "Estados" estarão esfacelados, e não poderão oferecer ajuda aos seus cidadãos, que em pequenas tribos, buscarão, de qualquer forma ou maneira, sobreviver ao caós.

O Aphophis não será a causa, mas será o fator que desencadeará a eclosão de disputas selvagens, pelo que restou de precárias possibilidades sobrevivência.

Em 2036, os desastres ambientais de grandes proporções, hoje negadas pelas autoridades públicas, e a comunidade científica internacional comprometida com as verbas públicas, produzirão um quadro caótico de desorganização social, com milhares de refugiados vagando pelo Planeta Terra, em busca de proteção, água, alimentos, medicamentos, segurança mínima.

As grandes cidades serão saqueadas, e as turbas humanas animalizadas pelo instinto de sobrevivência, lutarão até a morte pela posse de uma caverna.

Ainda não será o fim do mundo, mas, com certeza, será o fim da espécie humana civilizada.

Divulgue este artigo, enquanto ainda há uma tênue esperança de reverter este quadro sombrio e apocalíptico.

Guarde-o de forma segura, depois de divulgá-lo, pois o autor não estará mais vivo, mas ninguém, no futuro, poderá acusar nossa geração de "Não avisar enquanto é tempo".

Os refugiados do destroçado Haiti, em busca de proteção no Brasil, sim, é uma profecia do que pode acontecer no futuro, mas que podemos modificar agora, enquanto há tempo.


RUI SANTOS DE SOUZA
Brasil, Curitiba, 25 de Janeiro de 2012 - 18h:22