Selecione seu idioma

quinta-feira, 6 de abril de 2017

Maria Helena, Edmea, Elisa, Israel, Michele e Luciane...

A distancia aumenta a dor da saudade e faz o amor ser forte...
(Rui)


Sou um velho, de 67 anos de idade, 300 anos de vida, e confesso que sou mau, muito mau, e tenho vergonha das minhas maudades cometidas ao logo da minha vida.

A única coisa que vergonhosamente me consola é que conheci poucas pessoas boas  ao longo da minha vida.

Tenho medo de cometer alguma injustiça ao tentar relacionar as que ainda lembro, devido a distancia e a longa ausencia das minhas raizes espirituais e familiares.

Nao quero cometer injusticas, mas afirmo com conviçao absoluta que a melhor de todas as pessoas que conheci na minha vida foi a Edna.

Íntegra, honesta, decente, carinhosa, misericordiosa, fiel, sempre pronta a ajudar e socorrer, fiel a sua fé inabalável, "verdadeiramente "Bendita de meu Pai".

Sempre considerei a Tia Zulmira o melhor coraçao que conheci na minha vida, mas a Edna, se não foi melhor, foi igual a tia Zulmira.

A Edna sempre foi a melhor encarnaçao dos ensinos de Jesus que pude encontrar na minha vida.

Parafraseando o Apóstolo Paulo afirmo que "se o Céu realmente existe", a Edna está lá agora, sendo recompensada pela sua fidelidade e coerência com o que acreditava e transmitia.

Michele, Luciane, Maria Helena, Edmea, Elisa, Israel, meu coração sangra com o de vocês.

A distância e a ausência involuntária aumentam e intensificam o amor e a saudade.

Estou arrasado, com um profundo sentimento de perda...

Voces não podem me ver, mas estou junto com vocês.
...

Compartilho e sinto junto a dor de vcs.

Do irmão ausente...

Rui - Curitiba